Avaliação do governo Dilma cresce e pode-se dizer que chega a 92%

\n
\n

\n

\n
\nO percentual da população brasileira que avalia o governo Dilma como ótimo ou bom oscilou de 62% para 63%, ou seja, dentro da margem de erro. Essa é a terceira pesquisa consecutiva que o percentual mantem-se nesse patamar, o mais elevado desde o início do governo.
\n
\nEm uma perspectiva de longo prazo, é clara a tendência de melhora da avaliação do governo presente desde setembro de 2011. Esse movimento é percebido em praticamente todos os indicadores apurados nesta pesquisa.
\n
\nEm termos regionais, verifica-se melhora na avaliação entre os residentes da Região Nordeste. O percentual de ótimo ou bom passou de 68% para 72%. Com isso, a Região se destaca como a com melhor avaliação do governo. As demais regiões encontram-se tecnicamente empatadas, em torno de 60%.
\n
\n

\n

\n

\nA pesquisa também apontou bons números nas áreas econômica e social. Dentre os entrevistados, a desaprovação à taxa de juros caiu de 51% para 50%, enquanto a aprovação subiu de 41% para 42%. A desaprovação aos impostos caiu de 65% para 60%, ao passo que a aprovação subiu de 30% para 36%. Também melhorou a percepção aos dados de combate à inflação. A aprovação foi de 45% para 48% e a desaprovação de 50% para 47%. De acordo com a pesquisa, 29% dos entrevistados consideraram o governo regular e 7% desaprovam o governo, avaliando como ruim e péssimo.

\n

\n

\n

\n

\n

\n

\n

\n

Se somarmos os 63% de Ótimo/Bom com os 29% do Regular, a marca da aceitação do Governo Dilma chega a 92% de aceitação

\n

\n

\n
\n

\nExpectativa com relação ao restante do governo Dilma

\n

\n

\n

\n

\n

\nOs brasileiros estão mais otimistas com relação ao restante do governo Dilma. O percentual dos respondentes que acreditam que o restante do governo será ótimo ou bom subiu de 62% para 65%. Apenas ao fim do primeiro trimestre do governo Dilma o otimismo era 

\n

\nmaior (percentual de 68%).

\n

\n

\n

\nO otimismo é maior entre os residentes da Região Nordeste. O percentual de ótimo ou bom dessa região passou de 67% para 74%. Os entrevistados são mais otimistas com relação ao 

\n

\nrestante do governo Dilma quanto menor sua renda familiar, menor seu grau de instrução e menor o tamanho do município em que reside.

\n

\n

\n

\n

\n

\n

\n

\n Aprovação da maneira de governar da presidente Dilma

\n

\n

\n
\nPela quarta pesquisa consecutiva não se verifica mudança significativa na aprovação da  maneira de governar da presidente Dilma. O percentual de 79% é o mais alto desde o início 
\ndo governo, mas está apenas 1 ponto percentual acima do apurado em dezembro de 2012.
\n
\nA proporção dos que aprovam a maneira de governar da presidente é maior entre os residentes de municípios com até cem mil habitantes (84%) e os do interior (81%). A aprovação  também é maior entre os eleitores de menor renda familiar e menor grau de instrução.
\n
\nNa comparação com dezembro de 2012, a aprovação cresceu mais entre os residentes da Região Nordeste (de 80% para 85%). Nas Regiões Norte/Centro-Oeste o percentual da população que aprova a maneira de governar da presidente Dilma caiu de 82% para 77%, mesmo  percentual das Regiões Sudeste e Sul, onde a aprovação ficou estável.
\n
\n
\n

\n

\n
\n
\nConfiança na presidente Dilma
\n
\nO percentual dos brasileiros que confiam na presidente Dilma oscilou de 73% para 75%, ou 
\nseja, dentro da margem de erro. Ainda assim, esse é o maior percentual registrado desde o 
\ninício de seu governo, um ponto percentual superior ao apurado em março de 2011.
\n
\nOs entrevistados com 50 ou mais anos de idade são os que mais confiam na presidente: 82%. O percentual dos que confiam é maior quanto menor o grau de instrução. No que diz respeito ao município de residência, a confiança na presidente é menor entre os residentes 
\ndas capitais ou dos municípios com mais de 100 mil habitantes: 70%, em ambos os casos. Os residentes da Região Nordeste são os que mais confiam na presidente Dilma: 82%. O 
\npercentual é menor nas Regiões Norte/Centro-Oeste (71%) e Sudeste (72%).
\n
\n
\n
\nNo campo social, as áreas de educação e saúde melhoraram, embora ainda se apresentem como áreas sensíveis do governo. A aprovação da saúde subiu de 25% para 32% e a desaprovação caiu de 74% para 76%. Na educação, a aprovação foi de 43% para 47% e a desaprovação de 56% para 50%.
\n
\nAs ações de combate à fome e à pobreza, meio ambiente, combate ao desemprego e combate à inflação foram aprovadas respectivamente por 64%, 57%, 57% e 48% dos entrevistados.
\n
\nA percepção dos entrevistados sobre o noticiário a respeito das ações do governo foi positiva. Os assuntos mais lembrados entre os entrevistados foram a presença da presidenta na tragédia em Santa Maria (RS), com 12%; o governo descartar a possibilidade de apagão (10%); a redução dos impostos da cesta básica (7%); a votação da lei de distribuição dos royalties do petróleo (7%) e o aumento do salário mínimo para R$ 678 (6%).
\n
\nA pesquisa avalia trimestralmente a opinião pública com relação à administração federal. A CNI/Ibope entrevistou 2.002 pessoas em 143 municípios entre os dias 08 a 11 de março de 2013.
\n
\nAcessem aqui e confiram a pesquisa na íntegra.
\n
\n
\n

\n

\n
\n
\n
\n

\n

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *