CÂMARA LAVARÁ AS MÃOS NO JULGAMENTO DAS CONTAS DE ZÉ PRETINHO E DAVI CERQUEIRA

Por Luiz Lima
Endereço Eletrônico: [email protected]
Contato: (073) 9956-2813
(tem notícia – faça contato)
Corre o boato dentro da Câmara de Vereadores da cidade de Una (Sul da Bahia), que os vereadores estão todos acordados a manter os pareceres do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado da Bahia, em relação às contas dos ex-prefeitos Zé Pretinho e Davi Cerqueira, que serão colocadas em apreciação nos próximos dias em plenário.
Segundo o comentário que ouvimos de um dos edis que preferimos reservar o nome por enquanto, essa foi à maneira que eles encontraram para não se comprometerem com ninguém, passado a responsabilidade para o Tribunal de Contas dos Municípios.
A ação dos edis, segundo informações preliminares, vai de encontro aos interesses do atual prefeito Dejair Birschner e seu grupo (família), que gostariam muito de ver as contas dos seus adversários reprovadas, o que impossibilitaria a candidatura de ambos nas próximas eleições municipais.
De toda sorte, o comportamento dos vereadores está sendo considerado pela população como uma ação de pusilanimidade*, o que caracteriza essa Câmara uma das mais fracas que o município já teve nos últimos anos. Alguns estão comentando que falta personalidade, profissionalismo e transparência aos vereadores, tendo em vista que esse ato de apreciação, aprovação ou reprovação dessas Contas deveria expressar a vontade dos eleitores que eles representam e não um ato de conchavo na intenção de agir como indiferença na maior ação para que foram nomeados que é fiscalizar as contas do executivo.
Segundo um famoso crítico político da região, atitudes como essa que os edis de Una estão tomando, demonstra claramente o pecado e o erro que é vender o voto na hora de votar. Para ele, muitos dos representantes do legislativo municipais em todo o Brasil, foram eleitos através da compra de voto e em Una não foi diferente. O resultado está ai, uma Câmara sem compromisso com a população.
* Pusilanimidade: covardia, fraqueza e medo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *