Cunha entra no STF para tentar impedir cassação de mandato

Retirado do UOLdeputados

O ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) entrou com um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar impedir que o parecer pela cassação de seu mandato seja levado ao plenário.

A defesa de Cunha protocolou a peça na terça-feira (2), e alega que houve uma série de irregularidades durante a tramitação do processo por quebra de decoro parlamentar na Comissão de Constituição e Justiça, inclusive na sessão que aprovou o parecer contra o peemedebista.

Entre as falhas questionadas pelo advogado Marcelo Nobre está o quórum do dia da votação do recurso na CCJ. A defesa afirma que não havia titulares suficientes para abrir a sessão que rejeitou todos os pedidos de Cunha contra o andamento do processo disciplinar.

O sucessor de Cunha no comando da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já anunciou que dará início à última etapa do processo de cassação do peemedebista na próxima semana, mas não estabeleceu um prazo para que o processo seja concluído. A ideia é que a leitura do pedido de cassação aconteça na segunda-feira, 8, quando então o item passa a ter prioridade na pauta.

Nos bastidores, o Palácio do Planalto trabalha para que a votação sobre Cunha só aconteça após a conclusão do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff no Senado. Há um temor por parte dos aliados do presidente em exercício Michel Temer de que o deputado afastado tente retaliar o governo caso seja cassado antes da petista.


Globo paga menos, mas aceita Carioca sem Fla e clube pode ficar sem R$ 120 mi

índice

Retirado do ESPN

Na proposta enviada pela TV Globo aos clubes, a emissora já prevê um cenário sem o Flamengo. Nele, todos receberiam menos. Mas o que mais deixaria de ganhar seria o próprio rubro-negro: R$ 120 milhões em oito anos. No geral, o contrato seria 25% menor. Saindo dos atuais R$ 120 milhões, para R$ 90 milhões. Juntos, Fluminense, Vasco e Botafogo deixariam de ganhar R$ 36 milhões no período. Já a Federação de Futebol do Rio (Ferj) é quem mais pode perder dentre os que assinarem, pois além de reduzir o valor da sua cota em R$ 24 milhões no período, também teria um produto com menos valor para negociar a publicidade em TV.

Caso o rubro-negro se mantenha firme na posição de não assinar nos termos atuais, o clube continuaria participando da competição, mas com o time B. O principal se dedicaria a outros campeonatos e o clube estuda outras formas de arrecadação no período. Mas ainda não há planos concretos.

A posição do clube em não assinar, como explicado nesta terça-feira, é além de política (entenda os motivos no link ao lado) também financeira. O rubro-negro não acha justo receber menos do que a Federação. Sem o Flamengo, a entidade receberia R$ 9 milhões, no lugar dos R$ 12 milhões da atual proposta. Mas continuaria com o poder exclusivo de comercializar as placas de propaganda nos estádios. Especialistas do setor calculam que com todos os quatro grandes sendo televisionados, a federação poderia conseguir dobrar este valor recebido com a cota, passando a faturar até R$ 24 milhões, por ano, ou R$ 192 milhões (no cenário mais otimista), até 2024.

Há quem diga que mesmo tendo a redução, ainda é muito dinheiro para uma entidade que faz pouco pelo desenvolvimento do futebol. Uma organização que é completamente bancada pelos próprios clubes, com os 10% cobrados em borderôs (no lugar de 5% como a maioria no país). E que mesmo assim vem acumulando prejuízos (milionários) na sua operações, chegando ao ponto de ter de ingressar no programa de refinanciamento de dívidas do Governo Federal, o Profut.

Na nova proposta, além da cota direta à Federação, ainda há um percentual destinado exclusivamente à manutenção de estádios, a ser gerenciado pela entidade.

Rubinho perdoou Peter

A luta da federação para garantir suas polpudas cotas tem até perdão judicial. Foi o que aconteceu nos bastidores da decisão do Fluminense em assinar o “de acordo” com a Ferj, indo contra o que o presidente Peter Siemsen disse ao longo da última temporada sobre a gestão da entidade. As trocas de acusações eram tantas, que algumas ações judiciais por danos morais foram ajuizadas entre as partes.

Mas numa breve consulta aos sistemas do Tribunal de Justiça do Rio, o Blog encontrou pelo menos três perdões de Rubens Lopes a Peter. São ações que foram movidas pelo mandatário da Ferj contra o presidente Tricolor e contra o clube das Laranjeiras, que foram arquivadas nos últimos meses, por desistência de Rubinho.

São elas:

– 0508139-51.2015.8.19.001 (dano moral) Ferj desistiu do processo em 30/05
– 0476201-38.2015.8.19.0001 (dano moral) Ferj desistiu do processo em 06/06
– 0508064-12.2015.8.19.0001 (dano moral) Ferj desistiu do processo em 14/06

Há informações de que a recíproca nas Laranjeiras foi verdadeira e o clube também teria desistido dos processos movidos contra Rubens Lopes nos últimos meses, mas até o fechamento desta edição, o Blog não havia conseguido confirmar a informação.

O Fluminense deixa claro que embora tenha decidido assinar o “de acordo” para manter o campeonato como está, não está pressionando o Flamengo a assinar.


PP oficializa Tiago a prefeito e PSB Nildo como vice prefeito

Matéria e fotos retiradas do site Una News

O espaço do Clube Social de Una ficou pequeno para acomodar autoridades, representantes políticos e simpatizantes na tarde desta terça-feira (02), na convenção que escolheu, apresentou e homologou o jovem Tiago de Dejair e Nildo Som como candidatos a prefeito e vice-prefeito, com o apoio integral dos partidos PP, PSB, PTN, PTC E PSDC numa sólida coligação rumo às eleições de 02 de outubro.

A presença maciça da militância foi o grande destaque da convenção que contou também com a presença de políticos de destaque no Estado como o vice-governador João Leão, o deputado Federal Cacá Leão, o deputado estadual Eduardo Salles, o deputado Federal Bebeto Galvão, o vereador de Ilhéus Roland Lavigne, o vereador e pré-candidato a vice-prefeito de Porto Seguro Danilo Suprilar, vereadores de Una Professor Jorge, Man, Soninha Martan, dentre outras liderança. Além da presença do Radialista de Ilhéus, Robertinho Scarpita.SAM_4427 SAM_4390 SAM_4383 SAM_4358 SAM_4334 SAM_4271 SAM_4233 SAM_4209 SAM_4204 SAM_4203


RASTEIRA NA BASE DA PIRÂMIDE ESTATAL

 

 Retirado do Blog do Gusmão

Servidores de vários lugares do Brasil se mobilizam contra o Projeto de Lei 257/2016, que trata da renegociação da dívida dos estados com a União. Nessa terça-feira (2), protestos e a falta de acordo entre as lideranças partidárias adiaram a votação do texto na Câmara dos Deputados.

Para alongar o prazo de pagamento das dívidas, o governo federal impõem condições consideradas severas pelos servidores estaduais, como a proibição do reajuste de salários e de concursos públicos, além do cortes de benefícios que afetariam profissionais da saúde, da educação e da segurança pública.

O projeto foi apresentado pelo governo federal no dia 22 de março de 2016, ainda sob a gestão da presidente afastada Dilma Rousseff (PT).

O governo interino considera a aprovação da lei importante para a eficácia do ajuste fiscal. Assim como a presidente afastada, Temer (PMDB)) quer a confiança dos mercados.

Apesar da austeridade, o presidente interino decidiu livrar do arrocho parte significativa do topo da pirâmide do Estado. As condições impostas à maioria dos servidores não vão alcançar as despesas do Judiciário, do Ministério Público, da Defensoria Pública e dos Tribunais de Contas dos Estados. Assim, esses órgãos poderão manter gastos com terceirizados, auxílio-moradia e outros benefícios fora dos limites estabelecidos pela renegociação.

A rasteira do ajuste vai acertar mesmo é a maciça base da pirâmide estatal.